HOME
  A FARSUL
  DIRETORIA
  INFORME FARSUL
  JORNAL SUL RURAL
  SINDICATOS
  COMISSÕES
  ASS.CRIADORES
  ASS.ECONÔMICA
  DEPTO.SINDICAL
  DEPTO.JURIDICO
  ESTATUTO
  DOWNLOADS
  LICITAÇÕES
 



 
Preços no campo e prateleiras estão distantes
25/01/2017 - 10:00:00
 
Se os preços nos supermercados estivessem diretamente relacionados aos praticados no campo, eles fechariam 2016 praticamente com os mesmos valores do final de 2015, bem distante da realidade das prateleiras. É o que indica o Relatório de Índices de Inflação (IICP e IIPR), divulgado pela Assessoria Econômica do Sistema Farsul, nesta quarta-feira, dia 25. O levantamento também aponta pequeno percentual nos custos de produção. 
Conforme o levantamento, o IIPR (Índice de Inflação dos Preços Recebidos pelos Produtores Rurais do RS) registrou 0,28% no acumulado do último ano. No segundo semestre houve retração em todos os meses, com dezembro chegando a -0,23%. Já o IPCA ficou em 6,29% e o IPCA Alimentos teve alta de 8,61%. O economista-chefe do Sistema Farsul, Antônio da Luz, lembra que há muito tempo a Federação vem alertando para o fato, “não são os preços agropecuários que causam inflação, mas é a própria inflação que causa o aumento nos alimentos”, explica.
Luz lembra que na composição dos preços entram diversos fatores como aluguel, energia elétrica, combustível e funcionários, e o custo do alimento é o menos impactante. “Não é o trigo que encarece o pão ou o tomate que faz uma pizza congelada custar mais, tem muitos outros fatores por trás”, afirma. Desde o início da série histórica o IIPR e o IPCA Alimentos registram movimentos independentes.
O ano que passou também apresentou pequena alta nos custos de produção. O Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP) fechou com 0,33% no acumulado. Depois de ter registrado, em 2015, a maior alta desde o início do Plano Real, 2016 foi marcado por deflação ao longo do período. Com as altas nos dois últimos meses, o indicador virou, mas se manteve próximo de zero. 
Os fertilizantes, em consequência da taxa cambial, foram os grandes responsáveis por puxar o índice para baixo, com -19%. Mas, os agroquímicos, mais uma vez, foram os principais ofensores do IICP. Mesmo com a apreciação do Real, eles registraram aumento entre 10% e 13% em média, tendo a orizicultura como a mais atingida. As sementes também apresentaram reajustes consideráveis, principalmente trigo (29%) e milho (17%). 


 
Fonte: Imprensa Sistema Farsul
 
Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul
Praça Prof. Saint Pastous, 125
Fone: 51 3214.4400 - Fax: 51 3221.9113
E-mail: farsul@farsul.org.br
Caixa Postal 1.114 - Cep 90.050-390
Porto Alegre - RS